Busca avançada
Ano de início
Entree

Detecção precoce de riscos para Transtornos do Espectro de Autismo com Indicadores Clínicos de Risco para o desenvolvimento infantil e intervenção precoce

Processo: 13/13230-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de agosto de 2013
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia do Desenvolvimento Humano
Convênio/Acordo: Fundação Maria Cecília Souto Vidigal
Pesquisador responsável:Rogerio Lerner
Beneficiário:Stephania Aparecida Ribeiro Batista Geraldini
Instituição-sede: Instituto de Psicologia (IP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:11/51013-0 - Detecção precoce de riscos para transtornos do espectro de autismo com indicadores clínicos de risco para o desenvolvimento infantil e intervenção precoce: capacitação de enfermeiros para o trabalho em unidades básicas de saúde , AP.R
Assunto(s):Educação continuada   Promoção da saúde   Desenvolvimento infantil   Saúde da criança   Transtorno do espectro autista

Resumo

O IRDI (Indicadores Clínicos de Risco para o Desenvolvimento Infantil) é um instrumento desenvolvido e validado entre 1999 e 2008 como um projeto temático da FAPESP (no. 03/09687-7), para a identificação de sinais iniciais de risco para o desenvolvimento do bebê entre 0 e 18 meses. Considerando-se o maior risco de irmãos de crianças com TEA a apresentarem problemas de desenvolvimento, o presente projeto busca identificar entre irmãos de crianças com Transtorno do espectro do autismo (TEA), a ocorrência de sinais de riscos para o seu desenvolvimento, por meio da aplicação do IRDI. Serão recrutados irmãos de diversas instituições que atendem crianças com TEA, em dois Municípios do Estado de São Paulo: Município de São Paulo e de Ribeirão Preto. A pedido do Ministério da Saúde, foi desenvolvido e validado um protocolo de Indicadores Clínicos de Risco para o Desenvolvimento Infantil (IRDI) para aplicação em bebês de 0 a 18 meses. Após três anos de seguimento, foram aplicados dois instrumentos (AP3 e SDQ) para associação dos resultados obtidos na aplicação do IRDI com transtornos psicológicos e/ou psiquiátricos. O IRDI teve significativa capacidade de predição de riscos para o desenvolvimento infantil. Considerando-se o maior risco de irmãos de crianças com TEA a apresentarem problemas de desenvolvimento, o presente projeto busca identificar, entre irmãos de crianças com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), a ocorrência de sinais de riscos para o seu desenvolvimento, por meio da aplicação do IRDI. Serão recrutados irmãos de diversas instituições que atendem crianças com TEA, em dois municípios do estado de São Paulo: município de São Paulo e de Ribeirão Preto. A bolsista de treinamento técnico 3 irá, junto à equipe de pesquisa, aplicar o IRDI e outros instrumentos relativos ao desenvolvimento da criança em serviços de saúde do município de São Paulo que assistem a crianças com diagnóstico de TEA. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.