Busca avançada
Ano de início
Entree

Uma sessão de treinamento com exercícios do Método Pilates é capaz de modificar a ativação dos músculos estabilizadores do tronco em indivíduos jovens com e sem dor lombar?

Processo: 14/10445-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2014
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2015
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Nise Ribeiro Marques
Beneficiário:Aline Prieto de Barros Silveira
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Marília. Marília , SP, Brasil
Assunto(s):Dor lombar   Eletromiografia

Resumo

INTRODUÇÃO: As dores na região lombar possuem uma alta incidência na população. Vários estudos apontam que existe uma forte ligação entre erros na ativação muscular, que geram diminuição na capacidade de geração de força e resistência, com o surgimento de dor lombar de origem inespecífica. Atualmente, os exercícios denominados de estabilização segmentar lombo-pélvica vêm sendo apontados, na prática clínica da fisioterapia, como a ferramenta ideal para a prevenção e reabilitação da dor lombar de origem desconhecida. Dentro dessa classe de exercícios, estão aqueles que compõem o Método Pilates. OBJETIVOS: Analisar o efeito agudo de uma sessão de exercícios do Método Pilates no padrão de recrutamento muscular em indivíduos com dor lombar crônica inespecífica e sujeitos sem dor lombar. MÉTODOS: Participarão do estudo pessoas na faixa etária de 18-25 anos, de ambos os gêneros. Os participantes serão separados em dois grupos: o grupo com dor lombar e o grupo sem dor lombar. O procedimento de coleta de dados será realizado em dois dias separados por um intervalo de 24 a 36 horas. No primeiro dia, os dados pessoais e características antropométricas serão coletados. Posteriormente, serão realizados a contração isométrica voluntária máxima (CIVM), o teste de Biering-Sorensen e a familiarização com o protocolo de exercícios do Método Pilates. No segundo dia, serão realizados o teste de elevação do braço, o protocolo de exercícios do Método Pilates e, após repouso de 10 minutos, serão realizados, novamente, os testes de elevação do braço e de Biering-Sorensen. Para determinação da CIVM serão efetuados quatro testes em posições diferentes e cada teste será executado três vezes, com manutenção da contração por 4 segundos. Para a realização do teste de Biering-Sorensen, os participantes estarão posicionados deitados em decúbito ventral sobre uma maca de avaliação, com a borda superior da crista ilíaca posicionada no limite superior da maca e o tronco apoiado sobre uma superfície removível. Com os membros superiores cruzados a frente do tórax, será solicitada aos participantes a realização da amplitude máxima de extensão do tronco e, posterior manutenção do movimento por meio da contração isométrica dos eretores espinha. O tempo será registrado por um cronômetro e o teste será encerrado quando os participantes não puderem manter a posição. O teste de elevação de braço será executado com a flexão do membro superior dominante. Neste teste serão realizados 10 movimentos de flexão de ombro a partir da posição vertical relaxada, com os membros superiores ao lado do corpo, até atingir o arco de 180º com extensão completa de cotovelo. Três exercícios do Método Pilates (Hundreds nível I, One Leg Stretch nível I e One Leg Circle nível I) que trabalham a cadeia muscular primária serão realizados. O protocolo de exercícios terá duração de aproximadamente 30 minutos. Os sinais eletromiográficos dos músculos TRA/OI, multífido lombar e iliocostal lombar (IL) bilaterais, e fibras superiores do reto abdominal (RA) unilaterais serão coletados durante a CVM, o teste de Biering-Sorensen e o teste de elevação do ombro. Para o teste de flexão de ombro, também serão coletados os sinais eletromiográficos do músculo deltóide anterior (DA) unilateral conforme a dominância de membros superiores. O sinal será filtrado por meio de um filtro passa banda de 20-500 Hz. A análise do sinal EMG será realizada no domínio do tempo, por meio do valor de Root Mean Square (RMS), e no domínio da frequência, com base na frequência mediana (FM). Para o cálculo da RMS e da FM serão utilizadas janelas móveis de 1 segundo com overlap de 0,5 s. Os valores de RMS serão normalizados pelo valor da CVM de cada músculo. Após verificação da normalidade dos dados será adotada a análise estatística apropriada para comparação das variáveis entre os grupos e em cada grupo. Em todos os testes estatísticos será adotado o nível de significância de p 0,05.