Busca avançada
Ano de início
Entree

Os sete indicadores de risco de viés da Cochrane possuem validade de constructo quando aplicados em ensaios clínicos randomizados sobre terapias psicológicas para transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) em adultos?

Processo: 16/19287-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2016
Vigência (Término): 30 de novembro de 2017
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Psiquiatria
Pesquisador responsável:Hugo Cogo Moreira
Beneficiário:Juliana Martins Scalabrin
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Epidemiologia   Meta-análise   Transtornos de estresse pós-traumáticos   Ensaio clínico controlado aleatório   Revisão sistemática

Resumo

Frequentemente desenvolvido após a ocorrência de eventos traumatizantes como homicídios, acidentes e violência sexual, o Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) acomete indivíduos de todas as idades. De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), o TEPT tem 3,5% de prevalência em 12 meses em adultos na América do Norte e em torno de 0,5 a 1,0% na Europa, na maioria dos países da Ásia, da África e da América Latina quando agrupados. Dessa maneira, o estudo acerca do tema tem se mostrado necessário de modo a compreender e melhor lidar com o desenvolvimento do transtorno, oferecendo melhor qualidade de vida àqueles que com ele convivem. Diversos ensaios clínicos randomizados e naturezas de intervenções tem sido propostas para reduzir o TEPT. A intervenção psicológica, por exemplo, apresentou a redução da severidade dos sintomas de TEPT em adultos na revisão sistemática intitulada "Psychological therapies for chronic post-traumatic stress disorder (PTSD) in adults". Ensaios clínicos primários que estão contidos em revisões sistemáticas referentes à intervenção psicológica para o tratamento de TEPT em adultos podem conter, além do efeito das intervenções, riscos de vieses. A Cochrane, instituição criada com o intuito de produzir informações sobre saúde por meio de revisões sistemáticas utiliza sete indicadores para avaliar os riscos de vieses de ensaios clínicos randomizados que foram incluídos para gerar uma metanalise. Esses sete indicadores são entidades observáveis que têm, subjacente a eles, um fator (latente) chamado risco de viés. Esses sete indicadores, assim como qualquer teste, escala, questionário e bateria necessitam, também, passar por um processo de validação provendo evidencias de validade em diferentes âmbitos; até o presente momento, não se encontrou registro de evidencia de validade de constructo para esse conjunto de itens. Esse trabalho se propõe a, a partir da utilização da Análise Fatorial Confirmatória (AFC), uma ferramenta que permite a confirmação ou rejeição de uma teoria, validar ou não, a utilização dos sete indicadores da Cochrane na avaliação de estudos referentes ao TEPT em adultos. A partir da revisão intitulada "Psychological therapies for chronic post-traumatic stress disorder (PTSD) in adults", publicada em 2013 por Jonathan I. Bisson, Neil P. Roberts, Martin Andrew, Rosalind Cooper e Catrin Lewis, usaremos os 70 ensaios clínicos nela contidos como observações (sujeitos de pesquisa). Os sete indicadores do risco de vieses estruturados em escala Likert (low risk, unclear, high risk) são osindicadores observáveis e subjacente a eles temos como hipótese a ser testada um modelo unidimensional (chamada risco de viés). Usaremos o Mplus (software específico para trabalhar com variáveis latentes) e os seguintes índices de adequação para o modelo da Cochrane de avaliação de risco de viés serão considerados: X² (Chi-Quadrado), RMSEA (Root Mean Square Error of Aproximation), CFI (Comparative Fit Index), TLI (Tucker-Lewis Index) e WRMR (Weighted Root Mean Residuals). Por meio deles será avaliado se existe bom ajustamento entre o modelo teórico de hipótese (sete indicadores observáveis e uma medida latente) e os dados coletados e descritos pelos autores da revisão sistemática. (AU)