Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito de agonistas de PPAR-gamma ou PPAR-alpha na programação metabólica decorrente de restrição calórica durante gestação e lactação

Processo: 16/13138-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2018
Vigência (Término): 31 de julho de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Pesquisador responsável:Silvana Auxiliadora Bordin da Silva
Beneficiário:Vanessa Barbosa Veronesi
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Endocrinologia   Secreção de insulina   Metabolismo energético   PPAR gama   Restrição calórica   Gravidez   PPAR alfa   Lactação   Glicose   Insulina   VLDL-Colesterol   Modelos animais

Resumo

A restrição calórica de 50% (CR) durante a terceira semana de gestação eleva os níveis de corticosterona e o peso relativo das glândulas adrenais maternas. Este excesso de corticosterona desencadeia consequências em longo prazo para a prole tais como aumento da rigidez arterial da artéria cerebral e intolerância à glicose. A programação das alterações vasculares na prole nascida de mães expostas a CR é abolida em decorrência do tratamento materno com um inibidor da síntese de corticosterona. Entretanto, ainda não está claro se o uso de agentes terapêuticos que suprimem a atividade do eixo Hipotálamo-Pituitária-Adrenal (HPA) podem prevenir a programação metabólica causada por CR. Neste sentido, é sabido que agonistas de PPAR-gamma e PPAR-alpha (usados, respectivamente, para controle glicêmico e para hipertrigliceridemia) exercem uma ação supressora da resposta do eixo HPA ao estresse. Objetivo: Esclarecer se o uso de agonistas do PPAR³ ou PPAR± durante a gestação e a lactação tem a capacidade de reverter a programação metabólica decorrente da CR materna. Metodologia: Ratas Wistar no 150 dia de gestação serão divididas em 4 grupos: CTL (sem tratamento e com ração ad libitum); CR (restrição calórica entre o 150 dia da gestação e o 210 dia após o parto); CR+Rosi (ratas similares às CR com tratamento com rosiglitazona durante a CR) e CR+Gem (ratas similares às CR com tratamento com gemfibrozila durante a CR). As fêmeas das prole serão submetidas aos testes de tolerância à glicose e à insulina, teste de produção de VLDL e isolamento de ilhotas para secreção de insulina. Análises maternas serão realizadas no 190 dia da gestação e consistirão em medida dos níveis de ACTH e corticosterona, massa da adrenal e expressão de STAR e ACTHR na adrenal e POMC e CRH no hipotálamo. (AU)