Busca avançada
Ano de início
Entree

Mecanismos metabólicos de risco cardiovascular aumentado em diabetes tipo 2 associados com variantes genéticas

Processo: 18/00164-7
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 01 de setembro de 2018
Vigência (Término): 31 de agosto de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia
Pesquisador responsável:Carlos Roberto Bueno Júnior
Beneficiário:Carlos Roberto Bueno Júnior
Anfitrião: Alessandro Doria
Instituição-sede: Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto (EEFERP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Local de pesquisa : Harvard University, Boston, Estados Unidos  
Assunto(s):Estresse oxidativo   Fenômenos fisiológicos celulares

Resumo

Indivíduos diabéticos experienciam risco cardiovascular 2 a 4 vezes maior que sujeitos sem diabetes. Uma abordagem para ganhar novos insights nos links entre diabetes e doença cardiovascular tem sido procurar por loci genéticos que são associados com doença da artéria coronária (DAC) entre indivíduos diabéticos e usar estar esta informação para inferir sobre os mecanismos que ligam diabetes a doença cardiovascular. Por meio de um estudo sistemático de genoma completo, Dr. Doria recentemente identificou um locus não conhecido relacionado à DAC que interage fortemente com diabetes, de modo que seus efeitos podem ser apenas detectados entre indivíduos com diabetes. Este locus é adjacente ao gene GLUL (glutamina sintase). A meta desta proposta, totalmente inédita, é ganhar insights sobre os mecanismos metabólicos que ligam GLUL e outros genes das vias do ácido glutâmico e ³-glutamil ao risco de DAC em diabetes tipo 2. Com base nos achados preliminares de Dr. Doria, iremos especificamente investigar a hipótese que o efeito do gene GLUL é devido à aumentada susceptibilidade ao estresse oxidativo, resultando em um dano no ciclo do ³-glutamil e na produção de glutationa. Para esta finalidade serão conduzidos estudos metabolômicos tendo como alvos os intermediários do ciclo do ³-glutamil, glutationa e marcadores de estresse oxidativo (8-isoprostano, tirosinas oxidadas) em amostras frescas de hemácias e plasma coletadas de 400 pacientes com diabetes tipo 2 - e tais variáveis serão relacionadas à variante de risco GLUL. Técnicas de triangulação serão empregadas para estabelecer relação causal entre variantes genéticas e estresse oxidativo.