Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo da modulação dos compostos canabinoides na autofagia mediada pelo TFEB em modelo celular de Taupatia

Processo: 18/06260-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2019
Vigência (Término): 30 de novembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Bioquímica e Molecular
Pesquisador responsável:Gustavo José da Silva Pereira
Beneficiário:Talita Aparecida de Moraes Vrechi
Instituição-sede: Instituto Nacional de Farmacologia (INFAR). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/20796-2 - Estudo da autofagia mediada pelos receptores de estrógeno para combater a toxicidade da proteína tau em modelos celular e animal de zebrafish, AP.JP
Assunto(s):Neurociências   Doença de Alzheimer   Tauopatias   Canabinoides   Autofagia   Fatores de transcrição

Resumo

A Doença de Alzheimer (DA) é uma das doenças neurodegenerativas mais estudadas na atualidade sendo uma das principais causas de demência em idosos. A presença da proteína Tau hiperfosforilada nos neurônios é um dos principais marcadores histológicos da DA, porém a sua presença também pode ser encontrada em outras doenças chamadas Taupatias, no qual podem causar morte neuronal. Sabe-se que disfunções autofágicas podem ocorrer na neurodegeneração, levando a formação e acúmulo de agregados proteicos tóxicos. Dessa forma, a modulação da autofagia tem sido postulada como um possível alvo terapêutico, na qual a ativação do fator de transcrição EB (TFEB) é uma importante e recente via de indução desse processo. Estudos ainda sugerem que os compostos canabinoides apresentam um papel neuroprotetor em modelos de neurodegeneração, porém a via de regulação autofágica mediada por esses compostos é desconhecida. A partir desses pressupostos, o objetivo geral deste projeto será investigar a inter-relação dos agonistas do sistema canabinoide com a via autofágica mediada pelo TFEB e seus possíveis mecanismos neuroprotetores em um modelo neuronal in vitro de Taupatia. Para tanto, a linhagem neuronal SH-SY5Y, superexpressando a proteína Tau humana, será tratada com compostos canabinoides e por meio de técnicas de microscopia de fluorescência e de Biologia Molecular, como Western Blotting e PCR em tempo real, serão realizados estudos de proteínas e genes regulatórios da via autofágica e de morte celular modulada pelo sistema canabinoide. Dessa forma, acreditamos poder contribuir para um melhor entendimento sobre o papel dos canabinoides na indução autofágica, e assim colaborar para um potencial desenvolvimento de novas terapias em Taupatias. (AU)