Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da resposta inflamatória sistêmica na prostatectomia radical e correlação com parâmetros clínicos, cirúrgicos e patológicos

Processo: 17/25781-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2019
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Pesquisador responsável:Carlo Camargo Passerotti
Beneficiário:Lucca Juvele Zampolli
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Urologia   Neoplasias da próstata   Robótica   Prostatectomia   Marcadores inflamatórios   Resposta inflamatória   Creatina quinase   Citocinas

Resumo

O câncer de próstata (CaP) é o tumor não cutâneo de maior prevalência no sexo masculino, tendo também alta taxa de mortalidade, sendo a segunda causa de morte por câncer neste sexo. Para o tratamento desse câncer, a abordagem cirúrgica tem se mostrado a mais adequada e de melhores resultados, com taxa de cura próxima a 94% nos casos localizados. Esta abordagem pode ser realizada por diferentes técnicas. Usualmente, a prostatectomia radical é realizada pela técnica de cirurgia aberta, que é a técnica mais antiga e difundida no meio médico. A cirurgia laparoscópica, apesar de garantir resultados positivos, não é de fácil realização exigindo maior nível técnico. Além disso, atualmente vem se difundindo o uso da técnica robótica, após a aprovação da utilização do robô Da Vinci pelo FDA. Essa técnica é recente e vem mostrado resultados muito promissores no aspecto curativo do paciente. Muitos estudos comparam os resultados das diferentes técnicas quanto ao seu aspecto oncológico, porém, este estudo visa comparar cirurgia aberta e robótica, deixando a técnica laparoscópica de lado, no grau de lesões e danos teciduais causados durante a cirurgia. Desta forma, através da coleta de amostras sanguíneas em diferentes momentos do pré, intra e pós cirúrgico, visa-se analisar os níveis séricos de HIF1± e TNF-±, além das citocinas inflamatórias IL-1, IL-6 e IL-8, bem como citocinas anti-inflamatórias como IL-4 e IL-10. Os níveis de creatina quinase (CK) também serão medidos como forma de avaliar lesão muscular. O estudo será prospectivo controlado, sendo realizado no Laboratório de investigação médica 55 da faculdade de medicina da USP, abrangendo um grupo de 100 pacientes com CaP, sujeitos a prostatectomia radical.