Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do perfil cito-genotóxico in vitro do complexo metálico de prata com furosemida (Ag-FSE)

Processo: 20/04317-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2020
Vigência (Término): 31 de julho de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Mutagênese
Pesquisador responsável:Flávia Aparecida Resende Nogueira
Beneficiário:Gabriela de Cássia Gasparoti
Instituição-sede: Universidade de Araraquara (UNIARA). Associação São Bento de Ensino. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Genotoxicidade   Compostos de coordenação   Furosemida   Cisplatino   Citotoxicidade   Fenômenos e processos farmacológicos e toxicológicos   Testes de mutagenicidade   Testes para micronúcleos   Técnicas in vitro

Resumo

Com a descoberta da cisplatina os metais vêm ganhando cada vez mais espaço na química medicinal por apresentarem maior possibilidade de formar moléculas diversificadas e com atividades biológicas/ farmacológicas promissoras. Neste contexto, a prata tem sido um metal bem explorado, pois há séculos ela é usada devido sua ação antibacteriana. Em vista disso, o objetivo desse trabalho é avaliar a citotoxicidade e mutagenicidade do complexo de prata com furosemida (Ag-FSE), testado previamente e com comprovado potencial antimicrobiano para garantir o uso seguro. O potencial citotóxico será avaliado pelo teste de Trypan blue e sobrevivência clonogênica utilizando as linhagens celulares GM07492 (célula do tipo fibroblástica não transformante) e Caco-2 (linhagem celular derivada de adenocarcinoma de colorretal) por apresentarem menores valores de IC50 quando avaliados pelo método de óxido-redução da resazurina (dados não publicados - Anexo 1). A atividade mutagênica/genotóxica será avaliada pelos ensaios do Micronúcleo e Cometa, utilizando a linhagem HepG2, por apresentar um perfil de metabolização. Considerando que Ag-FSE é um candidato potencial ao desenvolvimento de um novo medicamento, este estudo fornecerá dados confiáveis sobre sua interação com o material genético, por meio de testes genotoxicológicos, bem como sobre o efeito citotóxico, garantindo a aplicação mais segura e eficaz para a saúde humana. (AU)