Busca avançada
Ano de início
Entree

Impacto do esomeprazol na biodisponibilidade do oxido nítrico na Hipertensão Gestacional em ratas

Processo: 20/03135-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de novembro de 2020
Vigência (Término): 31 de outubro de 2025
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Geral
Pesquisador responsável:Carlos Alan Candido Dias Junior
Beneficiário:Maria Luiza Santos da Silva
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Farmacologia experimental   Inibidores da bomba de prótons   Esomeprazol   Óxido nítrico sintase   Hipertensão induzida pela gravidez   Tirosina quinase 3 semelhante a fms   Pré-eclâmpsia   Modelos animais de doenças

Resumo

Durante o período gestacional, diversas adaptações cardiovasculares devem acontecer para a manutenção de uma gestação saudável. A Pré-Eclâmpsia (PE) é uma desordem que ocorre na gravidez e caracteriza-se pela elevação da pressão arterial materna (140x90mmHg) acompanhada de proteinúria de 24 horas após a 20ª semana gestacional. Sua patogenia ainda não é bem esclarecida, porém, a placenta parece exercer papel fundamental. Na PE há aumento do stress oxidativo, aumento de fatores antiangiogênicos e diminuição de mediadores vasodilatadores. Durante o período gestacional, muitas mulheres utilizam medicamentos para alívio dos sintomas de refluxo gástrico sintomático. Entre estes medicamentos estão os Inibidores da Bomba de Prótons (IBPs). Pesquisas revelam que os IBPs podem comprometer a biodisponibilidade de maneira pH-dependente e também a síntese do óxido nítrico (NO) através da inibição da atividade da enzima dimetilarginina dimetilaminohidrolase (DDAH), indispensável para o sistema cardiovascular. A DDAH metaboliza o inibidor endógeno da DDAH, a dimetilarginina assimétrica (ADMA), que compete com a NO Sintase (NOS). Através da inibição, ocorre uma diminuição da produção de NO favorecendo o risco de doenças cardiovasculares, inflamação e principalmente levando a agravos a saúde gestacional. O modelo experimental de Hipertensão Gestacional e PE induzido por L-nitro-arginina-metil ester (L- NAME) tem se mostrado bastante promissor por manifestar muitas das respostas encontradas na PE humana. A nossa principal hipótese é de que o comprometimento na produção de NO causado pelo uso de IBP possa ser um agravo à saúde gestacional. Além disso, avaliaremos também as concentrações circulantes dos fatores antiangiogênico, o fms-like tirosina quinase-1 solúvel (sFlt-1), do fator angiogênico PlGF (Placental Growth Factor), da DDHA e ADMA neste modelo experimental. Este estudo busca avaliar o impacto do uso de IBPs na biodisponibilidade de NO e no controle da Hipertensão Gestacional induzida experimentalmente, bem como, contribuir para o entendimento e desenvolvimento de possíveis futuras terapias. (AU)