Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise da relação entre o desempenho no teste sit-to-stand com a força e potência muscular em mulheres idosas residentes na comunidade com e sem história de quedas

Processo: 08/08668-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2009
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2010
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Daniela Cristina Carvalho de Abreu
Beneficiário:Arthur Marco Peres Ribeiro
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Equilíbrio postural   Força muscular   Acidentes por quedas   Idosos

Resumo

Fatores e eventos incapacitantes, como as quedas, podem acarretar em diminuição da independência e piora da qualidade de vida, devendo ser incentivadas ações preventivas e reabilitadoras. Uma vez identificadas as causas que podem levar às quedas, uma abordagem terapêutica específica pode ser elaborada no sentido de prevenir novos eventos. O teste de levantar e sentar é uma ferramenta significativa para estabelecer as diferenças entre os idosos com e sem história de quedas, porém ainda não está estabelecida a importância das diferentes variáveis sobre esta atividade. Mulheres idosas com histórico de quedas parecerem ter mais dificuldade ou são mais cuidadosas em testes de mobilidade funcional ou transferência. Um evento característico do envelhecimento é a diminuição da força muscular de membros inferiores, o que pode causar ou contribuir com problemas de equilíbrio e aumentar em 5 vezes o risco de cair. Idosos com história de quedas apresentam uma fraqueza ainda maior, e diminuição da força do quadríceps interfere negativamente em atividades como no ato de levantar e sentar. Um teste para avaliar a força muscular baseado no conceito de 1 repetição máxima (1RM) tem sido amplamente utilizado, pois é seguro e válido para indivíduos idosos. Considerando-se que uma potência fraca pode melhor prever uma futura queda do que tradicionais medidas de força em idosas residentes na comunidade são necessárias alternativas apropriadas, simples e de baixo custo para mensurar a potência muscular. (AU)