Busca avançada
Ano de início
Entree


Estudo funcional do colágeno tipo XVIII

Texto completo
Autor(es):
Suzuki, Oscar Takeo
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: São Paulo. [2006]. 124 f., gráficos, ilustrações, tabelas.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Biociências
Data de defesa:
Membros da banca:
Passos-Bueno, Maria Rita dos Santos e; Haddad, Luciana Amaral; Nader, Helena Bonciani; Soares Netto, Luis Eduardo; Zorn, Telma Maria Tenório
Orientador: Passos-Bueno, Maria Rita dos Santos e
Área do conhecimento: Ciências Biológicas - Genética
Indexada em: Banco de Dados Bibliográficos da USP-DEDALUS; Biblioteca Digital de Teses e Dissertações - USP
Localização: Universidade de São Paulo. Biblioteca do Instituto de Biociências; IB/D-1219
Resumo

A síndrome de Knobloch (SK) é uma doença autossômica recessiva rara, caracterizada por problemas oculares e presença de encefalocele occipital, porém o quadro clínico é variável. Os pacientes apresentam principalmente miopia de grau elevado, degeneração vítreo-retiniana e deslocamento de retina; o grau de comprometimento da alteração no occipital também é variável. Nossos estudos mostram que SK é causada por mutações no gene COL18A1, que codifica o colágeno tipo XVIII. Esse colágeno, uma proteoglicana da matriz extracelular, tem sido estudado principalmente por liberar a endostatina, um fragmento de 20 kDa clivado proteoliticamente de sua porção C-terminal e que possui atividade inibidora da angiogênese. O colágeno XVIII possui três isoformas conhecidas, as quais diferem entre si apenas na porção N-terminal e apresentam padrões de expressão distintos nos tecidos, mesmo estando ubiquamente presentes nas membranas basais epiteliais e endoteliais. Além da endostatina, o colágeno XVIII apresenta outros motivos com função ainda desconhecidas: um domínio trombospondina, presente em todas as isoformas e um domínio frizzled, encontrado apenas na forma mais longa da proteína. O espectro de variação clinica na SK ainda é incerto, assim como os mecanismos moleculares que levam ao fenótipo. Nosso trabalho teve como objetivos principais a identificação de mutações no COL18A1 em um número maior de famílias com a SK, estabelecimento de novos protocolos que possam auxiliar no diagnóstico clínico e a avaliação do efeito funcional de variações encontradas na endostatina, domínio de maior conservação do colágeno XVIII. Propusemo-nos ainda a identificar proteínas que interagem com o domínio trombospondina. Apresentamos aqui a caracterização de sete novas mutações no colágeno XVIII em pacientes com SK, permitindo assim uma melhor determinação do espectro de variação fenotípica da SK... (AU)

Processo FAPESP: 03/00820-6 - Estudo funcional do colágeno tipo XVIII
Beneficiário:Oscar Takeo Suzuki
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado Direto