Busca avançada
Ano de início
Entree


Isolamento e caracterização de células-tronco caninas do cordão umbilical para uso potencial em transplantes de cães distróficos

Texto completo
Autor(es):
Eder Zucconi
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Biociências
Data de defesa:
Membros da banca:
Mayana Zatz; Luciana Amaral Haddad; Jose Eduardo Krieger; Mariz Vainzof; Marco Antonio Zago
Orientador: Mayana Zatz
Resumo

A Distrofia Muscular de Duchenne (DMD) é a forma mais comum e grave de Distrofia Muscular Progressiva. Esta doença possui herança recessiva ligada ao X e é caracterizada pela ausência de distrofina na membrana das fibras musculares. A DMD afeta 1/3.000 meninos nascidos vivos, e até os 12 anos de idade os pacientes são confinados à cadeira de rodas. Os afetados raramente sobrevivem após a terceira década de vida. Atualmente nenhum tratamento efetivo ainda foi desenvolvido para esta doença. Deste modo, nosso trabalho tem como objetivo principal contribuir para o entendimento do potencial terapêutico das células-tronco adultas do cordão umbilical visando a regeneração muscular. Para tanto, utilizamos como modelo cães da raça Golden Retriever portadores de distrofia muscular (GRMD Golden Retriever Muscular Dystrophy), uma vez que estes cães apresentam um quadro clínico muito semelhante com a patologia clínica humana. Demonstramos em nosso estudo que células hematopoiéticas provenientes do cordão umbilical canino não são capazes de restaurar a expressão de distrofina em níveis clinicamente relevantes em cães GRMDs. Frente a estes resultados, decidimos dar continuidade em nossos estudos com as células-tronco mesenquimais (CTMs) do cordão umbilical humano e canino as quais foram imunofenotipadas e caracterizadas, in vitro, quanto ao potencial de diferenciação. In vivo, demonstramos que as CTMs do cordão umbilical canino são capazes de chegar à musculatura de cães GRMDs, quando injetadas por via arterial, mas não de restaurar a expressão de distrofina em níveis clinicamente relevantes. Por fim, descrevemos um cão GRMD excepcional, Ringo, que apesar da completa ausência de distrofina nas fibras musculares, apresenta um fenótipo leve de distrofia muscular. Concluímos com nosso estudo que células-tronco do cordão umbilical parece não ser a fonte mais adequada para a regeneração muscular In vivo. Contudo é de extrema importância investigar novas estratégias visando melhorar o direcionamento destas células para o músculo esquelético. (AU)

Processo FAPESP: 04/14842-4 - Isolamento e caracterização de células-tronco caninas de cordão umbilical para uso potencial em transplantes de cães distróficos
Beneficiário:Eder Zucconi
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado Direto