Busca avançada
Ano de início
Entree

Sergio Ferraz Novaes

CV Lattes ORCID


Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São Paulo. Núcleo de Computação Científica (NCC)  (Instituição Sede da última proposta de pesquisa)
País de origem: Brasil

Ele é Professor Titular da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Obteve o Bacharelado e Doutorado em Física pela Universidade de São Paulo (USP) e fez estágio de Pós-Doutorado no Lawrence Berkeley National Laboratory (Berkeley, EUA). Foi pesquisador visitante na Universidade de Wisconsin (Madison, EUA), Universidade de Valência (Espanha), Fermi National Accelerator Laboratory (Chicago, EUA) e na Organização Europeia para Pesquisa Nuclear (CERN) . Foi cofundador do Advanced Institute for Artificial Intelligence (AI2). Foi líder do grupo paulista da Colaboração Dzero do Fermi National Accelerator Laboratory (Fermilab). Atualmente é membro da Colaboração CMS da Organização Europeia para Pesquisa Nuclear (CERN) e líder do grupo do CMS em São Paulo. Desde 2003, é Pesquisador Responsável dos Projetos Temáticos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), que vem apoiando as atividades do Centro de Pesquisa e Análise de São Paulo (SPRACE). Ele e sua equipe implantaram o GridUnesp, o primeiro Campus Grid na América Latina e atualmente é Diretor Científico do Núcleo de Computação Científica da Unesp. Ele foi PI de vários projetos de PD com o setor privado (Padtec, Intel, Huawei, etc.) que incluem o Intel Parallel Computing Center (IPCC), o Center of Excellence in Machine Learning e o desenvolvimento do Kytos, um novo controlador SDN open-source, com o apoio da Huawei. Ele e sua equipe tem parceria de mais de uma década com o California Institute of Technology (Caltech) nas demonstrações da conferência SuperComputing onde quebraram por três vezes o recorde de transmissão de dados entre hemisférios Norte e Sul. Foi membro do International Committee for Future Accelerators, ICFA (2005-2007), representante brasileiro na Particles and Fields Commission (C11) da International Union of Pure and Applied Physics, IUPAP (2011-2021), representante brasileiro no Executive Board do International Doctorate Network in Particle Physics, Astrophysics and Cosmology, IDPASC (desde 2022), representante eleito dos Estados da Região B (OSB) composto por 20 países da Colaboração CMS (2021-2023), membro do Comitê Técnico e Científico da Rede Nacional de Física de Alta Energia, Renafae (2008-2018), membro do Comitê Gestor do INCT de Física de Altas Energias CERN-Brasil (2023-), Pesquisador Principal e Coordenador de Educação e Difusão do Conhecimento do Centro de Pesquisa Aplicada Ciência de Dados para a Indústria Inteligente, CDI2 (2024-), membro do Comitê Gestor do Centro de Supercomputação Científica do Estado de São Paulo, C3SP (2024-). Foi indicado pelo Ministro da Ciência e Tecnologia para compor a força-tarefa que deu início às negociações para o Brasil tornar-se Membro Associado do CERN. Ele liderou vários programas de divulgação científica, como a Estrutura Elementar da Matéria: um Cartaz em cada Escola, que distribuiu cartazes para 25 mil escolas do Ensino Médio no Brasil e o SPRACE Game que foi traduzido para o inglês e alemão. Ele coordenou vários acordos internacionais com os EUA (Madison, MIT e Texas Tech), Reino Unido (Edimburgo, Southampton e Imperial College) e Portugal (IST, Lisboa). Foi membro do Comitê Assessor da Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo, Fapesp (1997-2000) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, CNPq (2009-2012), além de Coordenador Científico (1990-1996) e Vice-Diretor (1996-1999) do Instituto de Física Teórica da Unesp. (Fonte: Currículo Lattes)

Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre o(a) pesquisador(a):
De Trieste para São Paulo 
Sopa primordial 
Sopa primordial 
Sopa primordial 
Quebra-cabeça em expansão 
Un rompecabezas en expansión 
Matéria(s) publicada(s) no Pesquisa para Inovação FAPESP sobre o(a) pesquisador(a):
Second School on Data Science and Machine Learning 
Second School on Data Science and Machine Learning 
FAPESP anuncia a criação de quatro Centros de Pesquisa Aplicada em Inteligência Artificial 
Setores acadêmico e privado se unem para fomentar pesquisa em inteligência artificial 
CODATA-RDA School of Research Data Science 
Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o(a) pesquisador(a)
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)
Auxílios à pesquisa
Bolsas no país
Bolsas no Exterior
Apoio FAPESP em números * Quantidades atualizadas em 13/07/2024
Colaboradores mais frequentes em auxílios e bolsas FAPESP
Contate o Pesquisador

Serviço temporariamente indisponível

Palavras-chave utilizadas pelo pesquisador
Videos relacionados aos auxílios à pesquisa e bolsas

SP Pesquisa - Bóson de Higgs - 1º Bloco


Publicado em 2 de maio de 2015 - SP Pesquisa - Bóson de Higgs - 1º Bloco. Em março de 2013, as manchetes do mundo todo se voltaram à descoberta do bóson de Higgs. Era a peça que faltava para completar o Modelo Padrão da Física de Partículas, o arcabouço teórico que explica de que são feitas todas as coisas que são vistas na natureza - dos átomos do nosso corpo às reações nucleares no coração das estrelas. A descoberta foi feita no LHC (o maior acelerador de partículas do mundo), na Suíça. O Brasil teve certa participação, ao colaborar para o processamento da montanha de dados vindos dos aceleradores, compondo uma sofisticada rede computacional chamada SPRACE, montada na UNESP com financiamento FAPESP. O programa apresenta tal participação e explica o que é o campo de Higgs, onde está o bóson e por que a descoberta é tão relevante.

SP Pesquisa - Bóson de Higgs - 2º Bloco


Publicado em 2 de maio de 2015 - SP Pesquisa - Bóson de Higgs - 2º Bloco. Em março de 2013, as manchetes do mundo todo se voltaram à descoberta do bóson de Higgs. Era a peça que faltava para completar o Modelo Padrão da Física de Partículas, o arcabouço teórico que explica de que são feitas todas as coisas que são vistas na natureza - dos átomos do nosso corpo às reações nucleares no coração das estrelas. A descoberta foi feita no LHC (o maior acelerador de partículas do mundo), na Suíça. O Brasil teve certa participação, ao colaborar para o processamento da montanha de dados vindos dos aceleradores, compondo uma sofisticada rede computacional chamada SPRACE, montada na UNESP com financiamento FAPESP. O programa apresenta tal participação e explica o que é o campo de Higgs, onde está o bóson e por que a descoberta é tão relevante.

Setores acadêmico e privado se unem para fomentar pesquisa em inteligência artificial


Publicado em 27 de fevereiro de 2019 - Agência FAPESP. Pesquisadores de oito universidades paulistas, em parceria com empresas e startups de diversos setores, lançam instituto avançado para promover projetos colaborativos na área. Inicialmente, integram o consórcio pesquisadores das universidades de São Paulo (USP), Estadual de Campinas (Unicamp), Estadual Paulista (Unesp), Federal de São Paulo (Unifesp), Federal do ABC (UFABC) e Presbiteriana Mackenzie, além do Centro Universitário FEI e da Escola Superior de Engenharia e Gestão (ESEG).

Por favor, reporte erros na informação da página do pesquisador utilizando este formulário.
X

Reporte um problema na página


Detalhes do problema: