Busca avançada
Ano de início
Entree
(Referência obtida automaticamente do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores.)

Validation of protocol of experimental necrotizing enterocolitis in rats and the pitfalls during the procedure

Título (Português): Validação do modelo de enterocolite necrotizante experimental em ratos e as armadilhas durante sua execução
Texto completo
Autor(es):
Frances Lilian Lanhellas Gonçalves ; Rodrigo Melo Gallindo ; Lucas Manoel Mangueira Soares ; Rebeca Lopes Figueira ; Fábio Antônio Perecim Volpe ; Maurício André Pereira-da-Silva ; Lourenço Sbragia
Número total de Autores: 7
Tipo de documento: Artigo Científico
Fonte: Acta Cirurgica Brasileira; v. 28, p. -, 2013.
Resumo

PURPOSE: To describe the difficulties of implementing the protocol of experimental necrotizing enterocolitis (NEC) in order to obtain a larger number of newborns affected with the disease and a lower mortality. METHODS: Term Sprague-Dawley newborns rats (22 days) were divided into four groups of 12 fetuses each (n = 48): EC - breastfed newborns; IH - breastfed newborns and subjected to a stress protocol by ischemia and hypothermia; ESB - formula-fed newborns (Esbilac®, PetAg, Hampshire, IL, USA) and NEC - formula-fed newborns and subjected to stress protocol. The parameters set for the study protocol were: milk concentration (0.19 g ml or 0.34 g/ml), diet instilled volume (according to body weight - 200 kcal/day/Kg - or progressive, according to acceptance), weight (gain, loss or maintenance) and duration of the experiment (72 hours or 96 hours). Data of body weight (BW), intestinal weight (IW) and the IW/BW ratio were obtained. Samples of terminal ileum were collected and analyzed by the degree of injury to the intestinal wall. Statistically significance was set to p<0.05. RESULTS: The established protocol with less mortality and increased number of NEC was with Esbilac® at a concentration of 0.19 g/ml of diet instilled volume of 0.1 ml, every 3 hours, for 72 hours. All infants fed with artificial milk lost weight. In the degree score of intestinal injury, the ESB, IH and NEC groups were considered positive for NEC with greater histological injury in the latter. CONCLUSION: The described NEC protocol in rats allowed a greater survival of puppies with a greater number of animals affected by the disease. (AU)

Resumo

OBJETIVO: Relatar as dificuldades da execução do protocolo de enterocolite necrosante (ECN) experimental a fim de obter um maior número de neonatos comprometidos com a doença e menor mortalidade. MÉTODOS: Neonatos de ratas Sprague-Dawley nascidos a termo (22 dias) foram divididos em 4 grupos de 12 fetos cada (n=48): EC - neonatos amamentados pela mãe; IH - neonatos amamentados pela mãe e submetidos a estresse por isquemia e hipotermia, ESB - neonatos alimentados por leite artificial (Esbilac®, PetAg, Hampshire, IL, USA) e NEC - neonatos alimentados com fórmula e submetidos a protocolo de estresse. Os parâmetros estabelecidos para o protocolo de estudo foram: concentração do leite (0,19 g/ml ou 0,34 g/ml), volume de dieta instilada (de acordo com ganho de peso - 200 kcal/dia/kg - ou progressivo, de acordo com aceitação), peso (ganho, perda ou manutenção) e duração do experimento (72 h ou 96 h). Dados de peso corporal (BW), peso intestinal (IW) e a relação IW/BW foram obtidos. Amostras de íleo terminal foram coletadas e analisadas pelo grau de lesão da parede intestinal. Os dados foram analisados estatisticamente com p <0,05. RESULTADOS: O protocolo estabelecido com menor mortalidade e maior número de ECN foi com Esbilac® na concentração de 0,19 g/ml, volume de dieta instilada de 0,1ml, a cada 3 horas, durante 72 horas. Todos os neonatos alimentados com leite artificial perderam peso. Na escala do grau de lesão, os grupos ESB, IH e NEC foram considerados positivos para NEC com maior lesão histológica no último. CONCLUSÃO: O protocolo de NEC experimental em ratos estabelecido possibilitou uma maior sobrevivência dos neonatos com o maior numero de animais acometidos pela doença. (AU)