Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação funcional de NF-kB em células dendríticas de pacientes com câncer de mama

Processo: 11/00597-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2011
Vigência (Término): 30 de setembro de 2012
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Pesquisador responsável:Jose Alexandre Marzagão Barbuto
Beneficiário:Isabella Katz Migliori
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:09/54599-5 - Células dendríticas: elementos integrados do sistema imune - enfoque aplicado, AP.TEM
Assunto(s):NF-kappa B   Células dendríticas   Neoplasias mamárias

Resumo

As células dendríticas (DCs) são as principais células do sistema imunológico responsáveis pela apresentação de antígenos e direcionamento da resposta imune. Por esse motivo, as DCs são utilizadas como instrumento em tratamentos imunoterápicos onde a ativação de células T é crítica, como no câncer. Porém, é sabido que as DCs de pacientes portadores de neoplasias apresentam alterações fenotípicas e funcionais, que dificultam a apresentação eficiente de antígenos tumorais, contribuindo para o escape tumoral à resposta imune. Uma das alterações citadas na literatura em células do sistema imune, associadas ao câncer, ocorre na via de transdução de sinal pelo fator nuclear kappa B (NF-kB). Este fator é na verdade uma combinação de dímeros de membros da família Rel (p65/RelA, c-Rel, RelB, p50/NF-kB1, e p52/NF-kB2), que, quando ativados, migram para o núcleo e controlam inúmeros genes associados à resposta imune. Também na fisiologia das DCs há participação intensa de NF-kB, estando envolvido tanto nos processos de diferenciação quanto nos de maturação dessas células. Além disso, há evidências na literatura que apontam para a participação diferencial das subunidades que compõem NF-kB em processos inflamatórios e em células transformadas. Porém, não há descrição sobre o papel desempenhado por essas diferentes subunidades em DCs de pacientes portadores de neoplasias. Iniciou-se, pois, no laboratório, o estudo da expressão das subunidades que compõem o NF-kB em DCs de pacientes com diversos tipos de câncer, tendo havido indicação de expressão diferencial desses dímeros em comparação com indivíduos saudáveis. Neste contexto, propôs-se este estudo, partindo da hipótese que, por possuir controle sob processos tão relevantes nas DCs, alterações na expressão das subunidades de NF-kB podem comprometer severamente a capacidade de apresentação de antígenos pelas DCs, contribuindo assim para o escape do câncer à resposta imune. Deste modo, este projeto pretende avaliar, em DCs derivadas de sangue periférico de pacientes portadoras de câncer de mama, a composição dos dímeros de NF-kB, comparando-a com a de doadoras saudáveis, buscando estabelecer correlação entre a expressão diferencial das subunidades de NF-kB e as alterações fenotípicas e funcionais das DCs nesse grupo de pacientes. Para tanto, DCs diferenciadas in vitro a partir de sangue periférico serão submetidas à extração de proteínas nucleares para posterior ensaio de gel shift, a fim de avaliar o grau de expressão de NF-kB e supershift, a fim de identificar as subunidades que compõem o NF-kB ativo. Além disso, na tentativa de correlacionar a presença das subunidades de NF-kB ao fenótipo e função de DCs maduras, estas serão avaliadas quanto à expressão de moléculas de superfície (CD14, CD11c, HLA-DR, CD123, CD1a, CD80, CD86, CD40, CD83), assim como o sobrenadante das culturas será avaliado para a presença de citocinas (TNF-alfa, IL-6, IL-10 e IL-12). Ainda, as DCs maduras serão avaliadas quanto à capacidade de indução de proliferação de linfócitos T alogenêicos, e o sobrenadante das co-culturas avaliado quanto à presença de citocinas (TNF-alfa, IFN-gama, IL-5, IL-6, IL-10 e IL-12 e IL-17). Por fim, a expressão de genes sob controle de NF-kB será avaliada por PCR em tempo real. Pretendemos, assim, contribuir para um maior entendimento sobre a fisiologia de DCs em pacientes com câncer, fornecendo, possivelmente, subsídios para corrigi-las.