Busca avançada
Ano de início
Entree

Geração de células-tronco pluripotentes induzidas (iPSCs) através de diferentes métodos de reprogramação e caracterização do estado de pluripotência no modelo de cão

Processo: 17/14884-9
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 05 de janeiro de 2018
Vigência (Término): 04 de julho de 2018
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Reprodução Animal
Pesquisador responsável:André Furugen Cesar de Andrade
Beneficiário:Naira Caroline Godoy Pieri
Supervisor no Exterior: Poul Hyttel
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : University of Copenhagen, Frederiksberg, Dinamarca  
Vinculado à bolsa:15/25564-0 - Geração in vitro de células germinativas primordiais suínas e avaliação funcional in vivo, BP.PD
Assunto(s):Modelos animais   Reprogramação celular

Resumo

Em 2006, o grupo de Shinya Yamanaka mostrou que as células somáticas podem ser reprogramadas em células-tronco pluripotentes (células tronco pluripotentes induzidas, iPSCs) por meio da expressão retroviral de quatro fatores de transcrição específicos: OCT4, C-MYC, SOX2 e KLF4 (OMSK). Desde então, o estabelecimento da tecnologia das células iPS passou por grandes desenvolvimentos no campo da biologia e da ciência médica. Muitos esforços têm sido investidos em revelar as vias que levam à ativação da pluripotência endógena em células diferenciadas e na identificação de fatores que regulam este processo. Recentemente, tem se focado no desenvolvimento de tecnologias para derivar células iPS sem fatores transgênicos, com o objetivo de obter células seguras, robustas e reproduzíveis. No entanto, muitos estudos têm investigado a reprogramação de células somáticas de camundongos e humanos em células iPS, mas poucas pesquisas conseguiram o sucesso da reprogramação de células somáticas diferenciadas em células-tronco pluripotência induzida (iPS) nas espécies domésticas, por exemplo, cães e suínos. Na verdade, ambas as espécies são consideradas modelos adequados para a medicina humana. Portanto, este estudo tem como objetivo compreender os mecanismos subjacentes que levam a reprogramação das células-tronco pluripotência induzidas caninas (ciPS) por meio de duas técnicas distintas: o uso de vetores integrativo (lentivirais) ou não integrativos (epissomal); bem como para caracteriza as células ciPSCs produzidas em relação ao seu estado de pluripotência. Espera-se que os resultados aqui obtidos, possam elucidar o potencial biotecnológico das células ciPSCs, para que estas células possam ser mais utilizadas em modelos de doenças na medicina humana e veterinária.