Busca avançada
Ano de início
Entree

MicroRNAs como possíveis preditores de nefrotoxicidade induzida pela cisplatina em pacientes com câncer de cabeça e pescoço

Processo: 19/20010-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de junho de 2020
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia
Pesquisador responsável:Patricia Moriel
Beneficiário:Nadine de Godoy Torso
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Neoplasias de cabeça e pescoço   Quimioterapia   Radioterapia   Cisplatino   Nefrotoxicidade   Farmácia clínica   MicroRNAs

Resumo

O câncer de cabeça e pescoço corresponde aos tumores localizados no trato aerodigestivo superior. O tratamento mais efetivo consiste na radioterapia concomitante à quimioterapia com altas doses de cisplatina, entretanto, seu uso é limitado devido às suas reações adversas, especialmente nefrotoxicidade. Existe, portanto, uma necessidade de identificação de moléculas preditoras de nefrotoxicidade, uma vez que os marcadores patológicos clássicos possuem baixa sensibilidade e especificidade. Entre os biomarcadores propostos nos últimos anos, um dos mais promissores é o miRNA. O objetivo deste estudo será avaliar miRNAs como possíveis preditores de nefrotoxicidade induzida por cisplatina em pacientes com câncer de cabeça e pescoço. Trata-se de um estudo analítico, experimental, clínico, de braço único, prospectivo e quantitativo, cuja amostragem foi não probabilística do tipo consecutiva. Serão incluídos pacientes com câncer de cabeça e pescoço que realizaram tratamento antineoplásico com cisplatina (80-100mg/m2 a cada 21 dias, por 3 ciclos; sendo considerado para a análise apenas o 1º ciclo) concomitante a radioterapia. Serão avaliadas a nefrotoxicidade, as toxicidades gastrointestinais e a mielotoxicidade, quanto à gravidade, segundo CTCAE v5. Será avaliada a expressão de miRNAs plasmáticos em relação a nefrotoxicidade induzida pela cisplatina, a fim de encontrar um correlação que as torne moléculas preditoras desta toxicidade. Para análise estatística serão usados os testes Chiquadrado, exato de Fisher, Mann-Whitney e ANOVA para medidas repetidas, considerando significativo o p<0.05. (AU)