Busca avançada
Ano de início
Entree

Aplicação de suabe conjuntival em inquéritos epidemiológicos, para detectar leishmaniose visceral canina, por PCR em tempo real

Processo: 13/19821-4
Modalidade de apoio:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de fevereiro de 2014 - 31 de janeiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Medicina Veterinária Preventiva
Pesquisador responsável:Trícia Maria Ferreira de Sousa Oliveira
Beneficiário:Trícia Maria Ferreira de Sousa Oliveira
Instituição Sede: Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA). Universidade de São Paulo (USP). Pirassununga , SP, Brasil
Pesquisadores associados:Helena Lage Ferreira
Assunto(s):Parasitologia veterinária  Leishmaniose visceral animal  Leishmania infantum  Túnica conjuntiva  Diagnóstico clínico  Imunofluorescência em animal  Reação em cadeia da polimerase em tempo real  Cães 
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Cães | diagnóstico | leishmania | Real Time PCR | suabe conjuntival | Doenças Parasitárias

Resumo

A leishmaniose visceral canina é uma grave zoonose, causada pela Leishmania chagasi (syn infantum). O ciclo deste parasito é heteroxeno e a transmissão acontece principalmente pela picada da fêmea do vetor, dípteros da espécie Lutzomyia longipapis. O cão doméstico é a principal fonte de infecção para o vetor no ambiente urbano, em virtude da alta prevalência da doença nesta espécie e alto grau de parasitismo cutâneo, facilitando a infecção do díptero. Em consequência disso, o cão é também o principal alvo das campanhas de controle da doença em seres humanos. O Ministério da Saúde adota testes sorológicos para a detecção de animais positivos; no entanto a sensibilidade e especificidade desses testes são questionáveis. Na última década as ferramentas moleculares demonstraram ser grandes aliadas na detecção da leishmaniose, e apresentam alta sensibilidade e especificidade. Uma variedade de espécimes biológicos pode ser utilizada nesses testes, como sangue e aspirado de medula óssea. O suabe conjuntival é uma alternativa fácil e prática de se obter amostras biológicas, não invasivas. Trabalhos recentes testaram a eficácia do suabe conjuntival, na detecção da leishmaniose por PCR, e concluíram que sua utilização é de grande valia no diagnóstico da doença. Com a tecnologia da PCR em tempo real ou PCR quantitativa (qPCR), é possível aumentar a sensibilidade, especificidade e reprodutibilidade da PCR. Além de, com esta técnica, ser possível quantificar a carga parasitária presente no animal infectado. No presente projeto,a utilização da PCR em tempo real será avaliada, comparando-a com a RIFI e a PCR comum. Espera-se que, ao comparar as técnicas citadas, obtenha-se um teste de diagnóstico mais preciso e sensível,que possa ser oferecido com segurança em estudos e inquéritos epidemiológicos para detectar aleishmaniose canina. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
BENASSI, JULIA C.; BENVENGA, GRAZIELLA U.; FERREIRA, HELENA L.; SOARES, RODRIGO M.; SILVA, DIOGO T.; PEREIRA, VANESSA F.; RUIZ, VERA LETTICIE A.; OLIVEIRA, TRICIA MARIA F. DE S.. Detecção molecular e sorológica de infecção por Leishmania (Leishmania) infantum em cavalos na região Sudeste do Brasil. Pesquisa Veterinária Brasileira, v. 38, n. 6, p. 1058-1063, . (11/00147-6, 13/19821-4)
JOÃO AUGUSTO FRANCO LEONEL; BRUNA TANNIHÃO; JULIA ASSIS ARANTES; GEOVANNA VIOTI; JULIA CRISTINA BENASSI; ROBERTA ARIBONI BRANDI; HELENA LAGE FERREIRA; LARA BORGES KEID; RODRIGO MARTINS SOARES; TRÍCIA MARIA FERREIRA DE SOUSA OLIVEIRA. Detection of Leishmania infantum DNA in blood samples of horses (Equus caballus) and donkeys (Equus asinus) by PCR. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, v. 63, . (13/19821-4)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas utilizando este formulário.