Busca avançada
Ano de início
Entree

Microencapsulação de compostos bioativos de camelia sinensis em sistemas lipídicos sólidos

Processo: 12/13648-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2012
Vigência (Término): 31 de julho de 2014
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Química - Operações Industriais e Equipamentos para Engenharia Química
Pesquisador responsável:Wanderley Pereira Oliveira
Beneficiário:Vanessa Aparecida Secolin
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:11/10333-1 - Microencapsulação e nanoencapsulação de ativos naturais empregando tecnologias de secagem, AP.JP
Assunto(s):Polifenóis   Sistemas de liberação de medicamentos   Encapsulação   Camellia sinensis   Antioxidantes

Resumo

Muitos produtos derivados de plantas com importantes aplicações industriais, em particular nos setores farmacêuticos e alimentícios, são complexas misturas de substancias. Entretanto, o efeito biológico de vários produtos naturais pode ser drasticamente reduzido ou perdido após uso oral, devido à baixa solubilidade em condições normais do trato gastrointestinal (baixa absorção) e ao efeito do metabolismo de primeira passagem. A micro e nanoencapsulação de ativos naturais é uma tecnologia emergente, que vem sendo utilizada atualmente visando solucionar diversos problemas relacionados com a estabilidade e biodisponibilidade destes compostos. Esta técnica consiste na inclusão do agente ativo em um invólucro protetor o qual pode ser um filme composto de derivados de carboidratos, gomas, proteínas, lipídios ou outros materiais poliméricos naturais ou sintéticos. Esta tecnologia permite, por exemplo, transformar substancias líquidas e voláteis em sólidos, proteger e modular a liberação de ativos, além de superar problemas de instabilidade e incompatibilidades em formulações. Esse projeto de pesquisa tem como objetivo principal investigar rotas tecnológicas para a obtenção de partículas lipídicas sólidas (micro ou nanoestruturadas) para a modulação da liberação de ativos naturais (ex. extratos brutos, componentes semipurificados e/ou isolados), enfatizando-se processos de preparação, tipo de excipientes e procedimentos para a caracterização físico-química, estabilidade e avaliação da atividade biológica do produto. Para o desenvolvimento deste projeto selecionou-se a espécie Camellia sinensis (chá verde) devido ao elevado conteúdo de polifenóis e em especial a presença de catequinas, as quais possuem importante papel na prevenção de doenças degenerativas como câncer e diabetes, possuindo comprovadas atividade antioxidante, antimicrobiana e antiviral. No entanto, as instabilidades apresentadas pelas catequinas (degradação por auto-oxidação e reações de epimerização) reduzem significativamente sua eficácia tornando o extrato de chá-verde e seus compostos isolados excelentes candidatos a estudos relacionados ao aumento da funcionalidade, estabilidade e biodisponibilidade.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
SECOLIN, VANESSA A.; SOUZA, CLAUDIA R. F.; OLIVEIRA, WANDERLEY P. Spray drying of lipid-based systems loaded with Camellia sinensis polyphenols. Journal of Liposome Research, v. 27, n. 1, p. 11-20, MAR 2017. Citações Web of Science: 3.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
SECOLIN, Vanessa Aparecida. Microencapsulação de compostos bioativos de Camellia sinensis em sistemas lipídicos por spray drying. 2015. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto Ribeirão Preto.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.