Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização do envolvimento do sensor de nutrientes mTORC1 na progressão da esteatose hepática, esteatopatite e hepatocarcinoma induzido pela deleção de PTEN em hepatócitos

Processo: 17/17582-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2017
Vigência (Término): 30 de novembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:William Tadeu Lara Festuccia
Beneficiário:Mayara Franzoi Moreno
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/19530-5 - Caracterização do envolvimento do sensor de nutrientes mTOR no desenvolvimento de doenças metabólicas crônicas associadas à obesidade, AP.TEM
Assunto(s):Fígado   Lipídeos   PTEN fosfo-hidrolase   Serina-treonina quinases TOR

Resumo

A doença hepática gordurosa não alcoólica (NAFLD) representa um grupo de doenças caracterizadas pelo acúmulo exacerbado de lipídeos no fígado que engloba desde uma simples esteatose hepática (NAFL), bem como, sua eventual progressão para doenças mais graves como a esteatopatite (NASH) e o hepatocarcinoma (HCC). Estudos anteriores indicam que a ativação constitutiva da via canônica de sinalização de fatores de crescimento PI3K-mTORC2-Akt-mTORC1 participa ativamente, por mecanismos ainda não completamente definidos, no desenvolvimento da progressão NAFL-NASH-HCC. Apesar de alguns estudos terem sidos realizados com este objetivo, pouco se sabe sobre o envolvimento de mTORC1 no controle das alterações metabólicas, função mitocondrial, estresse oxidativo e inflamação hepática associados à progressão NAFL-NASH-HCC. Uma das dificuldades encontradas na caracterização das ações individuais de mTORC1 está relacionada ao seu intenso cross-talk com mTORC2 (mTORC2 é um regulador upstream positivo de mTORC1 que inibe a atividade de mTORC2 por meio de feedback negativo na função de IRS). Para superar este problema, nós propomos no presente projeto o estudo de camundongos com deleção combinada de Raptor (deficiência de mTORC1) e Pten exclusivamente em hepatócitos. A deleção de Pten e assim a ativação constitutiva da via PI3K-mTORC2-Akt-mTORC1 em hepatócitos promove o desenvolvimento sequencial da progressão NAFL-NASH-HCC independentemente de fatores externos como dieta e agentes químicos, sendo assim um modelo relevante para o estudo dos mecanismos moleculares envolvidos no desenvolvimento e progressão destas doenças hepáticas. Como Pten está posicionado abaixo de IRS nesta via de sinalização, a deleção combinada de Raptor e Pten permitirá investigar a contribuição de mTORC1 na progressão NAFL-NASH-HCC, sem a interferência do feedback negativo catalisada por este complexo em IRS e assim na atividade de mTORC2. Para isto, camundongos com deleção somente de Pten ou somente de Raptor ou ambos Pten e Raptor exclusivamente em hepatócitos serão avaliados para a homeostase glicídica e lipídica, conteúdo, metabolismo e perfil hepático de lipídeos (lipidômica), conteúdo e função mitocondrial, estresse oxidativo, leucócitos residentes por FACS, sinalização intracelular da insulina e pró-inflamatória, perfil de expressão gênica e citocinas inflamatórias.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
OLIVEIRA, TIAGO E.; CASTRO, ERIQUE; BELCHIOR, THIAGO; ANDRADE, MAYNARA L.; CHAVES-FILHO, ADRIANO B.; PEIXOTO, ALBERT S.; MORENO, MAYARA F.; ORTIZ-SILVA, MILENE; MOREIRA, RAFAEL J.; INAGUE, ALEX; YOSHINAGA, MARCOS Y.; MIYAMOTO, SAYURI; MOUSTAID-MOUSSA, NAIMA; FESTUCCIA, WILLIAM T. Fish Oil Protects Wild Type and Uncoupling Protein 1-Deficient Mice from Obesity and Glucose Intolerance by Increasing Energy Expenditure. MOLECULAR NUTRITION & FOOD RESEARCH, v. 63, n. 7 APR 2019. Citações Web of Science: 4.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.