Busca avançada
Ano de início
Entree

Estabelecimento de função do gene homeótico Cux1 e de seu microRNA intrônico miR-721 de macrófagos murinos infectados com Leishmania amazonensis

Processo: 18/18499-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2018
Vigência (Término): 30 de abril de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Protozoologia de Parasitos
Pesquisador responsável:Sandra Marcia Muxel
Beneficiário:Camilla de Almeida Bento
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Protozooses em animal   Leishmania mexicana   NF-kappa B   MicroRNAs   Macrófagos   Anticorpos monoclonais murinos   Resposta inflamatória

Resumo

A Leishmania é capaz de subverter a resposta imune contra patógenos intracelulares através de diversos mecanismos de regulação da expressão gênica, como os transcricionais e pós-trancricionais para o estabelecimento da infecção. Os mecanismos transcricionais ocorrem pela ação de fatores de transcrição através da ligação à região promotora do gene, induzindo sua transcrição. Já os mecanismos pós-transcricionais podem ser mediados pelos microRNAs, que são RNAs não-codificantes de cerca de 20 nucleotídeos e que podem se ligar à porção 3'-UTR do mRNA do gene-alvo por complementaridade de bases e bloquear a síntese proteica ou induzir a clivagem do mRNA através do complexo miRISC, dessa forma silenciando a expressão do gene. A Leishmania é capaz de alterar o perfil de expressão de microRNAs do macrófago hospedeiro para subverter a resposta microbicida, e assim permitir a sobrevivência e proliferação do parasita. Este projeto visa estudar a relação do gene do fator de transcrição Cux1 e do miR-721, transcrito a partir da região intrônica de Cux1, e seus alvos em macrófagos de camundongos BALB/C infectados com L. amazonensis. Ainda, nosso estudo possibilitará a análise da inter-regulação entre ambos os moduladores bem como suas ações na elaboração da resposta inflamatória, focando na via de metabolização de L-arginina para produção de óxido nítrico via indução de óxido nítrico sintase 2 (NOS2).