Busca avançada
Ano de início
Entree

O papel do glicoproteoma e do fosfoproteoma durante a diferenciação neuronal na esquizofrenia

Processo: 19/05155-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2020
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Química de Macromoléculas
Pesquisador responsável:Daniel Martins-de-Souza
Beneficiário:Victor Corasolla Carregari
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:17/25588-1 - Da compreensão básica a biomarcadores clínicos para a esquizofrenia: um estudo multidisciplinar centrado na neuroproteômica, AP.TEM
Assunto(s):Esquizofrenia   Diferenciação neuronal   Proteômica

Resumo

A esquizofrenia é um distúrbio mental grave que acomete cerca de 1% da população mundial, causando problemas sociais e econômicos. Os primeiros sintomas se manifestam no final da adolescência/início da vida adulta do paciente. Embora tenham sido feitos muitos estudos sobre a origem da doença, pouco se sabe sobre os mecanismos moleculares envolvidos no desenvolvimento da esquizofrenia A esquizofrenia tem uma origem genética que traz disfunções durante o processo de neurogênese e durante o desenvolvimento do cérebro, as quais são responsáveis pela manifestação dos sintomas característicos da doença, podendo haver também a influência de fatores ambientais no processo. Como já se sabe, modificações pós-traducionais (MPTs) como a fosforilação e a glicosilação são de suma importância no processo de desenvolvimento do cérebro e alterações dessas MPTs podem causar importantes falhas durante a migração e diferenciação de células neurais, gerando distúrbios e doenças. O presente projeto visa identificar um mapa glicoproteômico e fosfoproteômico do extrato proteico total e das membranas celulares isoladas de células tronco plutipotentes induzidas de fibroblastos de pacientes com esquizofrenia e controles mentalmente sadios em diferentes fases da maturação neural. Realizaremos aqui uma análise qualitativa e quantitativa, buscando possíveis alterações das MPTs em proteínas relacionadas ao processo de desenvolvimento e comunicação celular. Após a identificação de possíveis alvos, serão feitos estudos funcionais para a validação e melhor compreensão do seu papel na doença. O trabalho contribuirá para a identificação e compreensão de processos bioquímicos e moleculares relacionados a esquizofrenia.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Novo coronavírus é capaz de infectar neurônios humanos 
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias: (231 total)
Mais itensMenos itens